O pós-Gauchão dos Drones: assimilação e reestruturação

2017 é um ano estranho. Repleto de turbulências, incertezas e desafios. O Ijuí Drones vive seu próprio turbilhão e estuda quais medidas serão necessárias para o melhor desenvolvimento do trabalho. Os zangões finalizaram o campeonato gaúcho de FA no dia 4 de junho. Em Viamão, perderam para o Porto Alegre Pumpkins por 41×07 já no Wild Card. A semifinal – o objetivo dos primeiros seis meses – não foi alcançado. Finalizada a competição para os Drones, a diretoria inicia uma série de reuniões. Há pontos críticos a serem cuidados com perícia: técnico, dinheiro e elenco.

A CAMPANHA NO ESTADUAL 2017

O enxame disputou seis jogos no estadual. Venceu nas três rodadas iniciais e foi o primeiro a carimbar a classificação para a segunda fase. A estreia ocorreu dia 4 de março, no Estádio 19 de Outubro, do Esporte Clube São Luiz. Vitória por 39×07. Confronto sob chuva, uma semana antes do primeiro jogo do rubro na segunda divisão do Gauchão de soccer. Devido ao acúmulo de água, o céspede local ficou enlameado, resultando num frenesi de críticas. Então, aos amarelos sobrou a necessidade de lidar com uma avalanche de críticas e a antipatia escancarada de muitos locais. O triunfo ficou relegado ao segundo, terceiro, quarto plano ou talvez ao quase esquecimento. A partir de então, o Drones retornou ao Poliesportivo, campo municipal ao lado do Ginásio Wilson Mânica.

Dia 18 de março, o primeiro jogo do ano longe da colmeia do trabalho. Triunfo por 21 a 20 contra o Gorillas, da capital gaúcha. Foi o primeiro embate decidido no overtime. Chegou o mês de abril, pouco tempo para trabalhar porque, a chuva: ELA NÃO PAROU. E caiu sobre os players num duelo de tira-teima e já um clássico estadual contra o Porto Alegre Bulls. A manada chegou a abrir vantagem de 13×00, mas os mandantes reagiram e o tempo normal de confronto terminou com placar 16×16. No tempo adicional, um field goal executado corretamente classificou os ijuienses.

17862346_974552326015757_5056060045633149868_n

Depois, porém, duas derrotas. No Presidente Vargas, em Santa Maria, a equipe começou dando trabalho ao Soldiers, que até então não havia sofrido pontos. Logo o placar estava 13×12, até dois jogadores do Drones serem ejetados. No segundo quarto do embate, os soldados abriram uma vantagem que não pode ser recuperada. Desse modo, o Santa Maria Soldiers manteve a invencibilidade e conquistou o direito de disputar a semifinal. A recuperação era aguardada para o último jogo da primeira fase.

Passe

Em 21 de maio, de novo em Ijuí, embate com o Santa Cruz Chacais. Um jogo, uma despedida. Uma nova derrota, dessa vez por 19×37. Perdeu-se, com ele, o mando de campo do wild card. Perdeu-se também um ícone do time. O head coach Eduardo Mundstock comunicou ao elenco, ao final do embate, que se desligaria da função quando o Gauchão chegasse ao final. A despedida oficial da sideline aconteceu no último dia 4 de junho. Pumpkins 41×07.

Drones 19x37 Chacais 09


CAMPANHA DO DRONES NO ESTADUAL

6 JOGOS     3 VITÓRIAS     3 DERROTAS     117 PONTOS FEITOS     180 PONTOS SOFRIDOS

“COMO SERÁ O AMANHÃ?”

“Responda quem puder“, diria a cantora Simone. E, nesse caso, um dos entes envolvidos na tarefa de decifrar o que foi o primeiro semestre amarelo e preto é Thiago Fengler, vice-presidente. A primeira reunião com o elenco e com membros da diretoria ocorreu na tarde deste sábado, no Ginásio Wilson Mânica. Para o vice-presidente, o Gauchão foi muito bom.

Thiago Fengler 01 _ Drones
Thiago Fengler, vice-presidente dos Drones

Agora o momento é de pensar no segundo semestre. Alguns jogadores chegaram há pouco. Tivemos algumas mudanças. Infelizmente durante o campeonato perdemos jogadores por lesão no decorrer do campeonato. Agora é parar para ver o que a gente errou e acertou

Sobre a derrota no wild card para o Pumpkins, Fengler destacou as dificuldades do campo em Viamão, visto que – de novo – a chuva, ela não parou. Segundo ele, o elenco reduzido também complicou a situação e foram necessárias improvisações diversas, com muitos jogadores de ataque precisando defender e vice-versa.

Há, porém, historias positivas, de dedicação ao football. Alessandro da Costa Inocêncio viu sua filha nascer num sábado à noite. Passou a noite no hospital acompanhando a esposa e zelando a recém-nascida. Não viajou com a delegação. Mas jogou. Recebeu aval da família e uma carona. Vestiu as cores do enxame e jogou.

Por esses gestos que muitos continuam no time”, exaltou o vice-presidente.

Alessandro é o coordenador de ataque dos Drones e atua como OL. O próprio contou sua história, o que houve contra os abóboras e o que o futebol americano significa para ele:

Fengler reiterou que o fato de não poder jogar no 19 de Outubro não desanimou os jogadores.

A gente sabe que a prioridade para utilizar o Estádio é do São Luiz… Nossos jogadores foram aos jogos do time no Acesso ajudar o São Luiz. Essa parceria só tende a aumentar. Estando nós lá no 19 de Outubro ou não, a parceria segue

Drones 19x37 Chacais 06

SEGUNDO SEMESTRE

Uma das coisas que os zangões estudam é se participam ou não da Copa Sul. A expectativa é de que nos próximos seis dias haja uma definição quanto a presença ou não na competição, já que as inscrições encerram em breve. Nesse ponto, o fator financeiro é um limitador, devido aos deslocamentos serem interestaduais. A ausência na Liga Nacional teve como pano de fundo esse fundamento, inclusive.

Além disso, nesse processo de reestruturação, reforçar o elenco está em pauta.  No próximo dia 28 os Drones realizarão um try out. A divulgação dessa seletiva será feita pelo clube nos próximos dias. Ao mesmo tempo, o clube estrutura maneiras de reforçar sua marca para a comunidade local por meio de atividades que o aproximem do público ijuienses.

Fengler foi questionado sobre a resistência que muitos dentro da cidade em relação ao clube de futebol americano, principalmente após o episódio do gramado do 19 de Outubro. O vice-presidente concorda que essa situação existe, até por ser um esporte novo e em expansão.

Nosso objetivo vai sempre unir para crescer. [O Drones] é mais uma equipe na cidade, uma opção para as famílias no final de semana

Ele salienta a valorização que o Drones dá para o empresariado local.

Poderíamos ter buscado, por exemplo, uma confecção de fora para fazer o nosso uniforme. Mas buscamos uma daqui, para levar o nome de Ijuí para fora daqui. E hoje temos um dos uniformes mais bonitos do Estado feito por uma empresa daqui

 

Entrevista completa no player abaixo

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s